Galeria Nacional da Noruega e O Grito de Munch

Noruega, para nós viajantes, é sinônimo de várias coisas: frio, esqui, olimpíadas de inverno, qualidade de vida, aurora boreal, transporte público eficiente, segurança, etc. Eu poderia continuar aqui para sempre enumerando todas as coisas que o país tem a oferecer. Porém, para mim, Noruega sempre lembra arte – afinal, Oslo não só foi retratada em uma das mais importantes séries de pinturas do mundo, como também é o lar de três dos quatro quadros que compõem uma das obras de arte mais caras da atualidade: O Grito.

A primeira das quatro telas e, provavelmente, a mais visitada delas, está localizada no Museu Nacional de Arte, Arquitetura e Design, em Oslo – conhecido popularmente como Galeria Nacional. É, certamente, o mais importante museu do país e abriga, além da obra prima de Edvard Munch, tantos outros tesouros dos mundo das artes. Lá foi a minha primeira parada assim que coloquei os pés na Escandinávia e, exatamente por isso, escolhi falar sobre o museu.

Fundado em 1837, o Museu Nacional abriga hoje a maior coleção pública da Noruega, resultado de uma fusão que ocorreu em 2003, onde foram reunidos os acervos do Museu Nacional de Arquitetura, do Museu Nacional de Artes Decorativas e Design (encerrado em 2016), do Museum Nacional de Arte Contemporânea, da Galeria Nacional da Noruega, e das Exposições de Itinerância Nacional. Cada “parte” do museu funciona em um prédio específico, então, já que eu teria pouco tempo livre em Oslo, foquei na Galeria Nacional, onde está O Grito e outras obras que eu tinha mais interesse em conhecer.

{Winter Night In The Mountains – Harald Sohlberg}

Com um acervo que mistura arte clássica e moderna, a Galeria tem como foco pinturas e esculturas do século XIX, além de um extenso números de peças assinadas por artistas noruegueses. Inclusive, meu favorito de toda a coleção, foi a maravilhosa tela “Winter Night In The Mountains“, do Harald Sohlberg: um pintor Neo-Romântico nascido em Oslo e famoso por retratar paisagens típicas do seu país.

Mas, mesmo amando esse artista que, até então, era desconhecido por mim, não posso deixar de confessar que a obra prima de Munch foi quem me levou até o museu – e, realmente, é emocionante ver de perto e com os próprios olhos uma tela que você estudou e admirou por tantos anos. Inspirada na vida do próprio artista, O Grito exprime um conflito intenso que ele vivia dentro de si, após ter passado por tantas experiências perturbadoras, como a criação extremamente controladora e o fato dele ter testemunhado a morte da mãe e de uma das irmãs quando ainda era uma criança.

A figura andrógena, retratada na doca do Oslofjord, está claramente vivendo um momento de desespero existencial e seu grito é a porta de saída para tudo aquilo que ela internalizou ao longo dos anos. A perturbação da alma deste ser é tão intensa, que até mesmo seus arredores são afetados – o que é mostrado pelas linhas curvas que compõem toda a pintura, como uma espécie de vibração causada pelo grito daquela figura. A obra foi considerada macabra para a época e, quando exposta pela primeira vez, em 1903, um dos críticos chegou a aconselhar mulheres grávidas a evitarem se “expor” a tela.

{O Grito – Edvard Munch}

No entanto, a reação do público foi completamente contrária ao esperado, e o quadro logo virou a sensação da época. Seu nome original era “O Desespero“, mas foi renomeado após a mídia apelidá-lo de “O Grito”. As quatro versões existentes ocorreram pois Munch pintou mais três telas para substituir as cópias que vendia. A da Galeria Nacional é a original, de 1893. A segunda era exibida pelo Museu Munch até 2004, quando foi roubada. Em 2006 foi recuperada pela polícia Norueguesa, porém com danos irreparáveis. O mesmo museu é dono da terceira versão da pintura. E, a quarta foi a responsável por dar à tela o título de mais cara do mundo, após ter sido arrematada por um comprador particular durante um leilão da Sotheby’s por 119,9 milhões de dólares.

Mas não somente da sua estrela principal vive a Galeria Nacional, e o acervo do museu conta ainda com diversas obras icônicas que transformam a visita, já tão maravilhosa, em ainda mais especial. Eu fui focada no O Grito e não conhecia muito da história do museu, então foi uma belíssima surpresa encontrar por lá tantas outras obras que eu já tinha uma familiaridade, como Etretat No Chuva, do Monet; Natureza Morta, do Cézanne; e, óbvio, algumas outras telas do Munch – especialmente As Quatro Garotas em Uma Ponte, que é lindíssima!

{Modigliani e Picasso}

Galeria Nacional
Universitetsgata 13
Oslo – Noruega
Funcionamento:
– Segundas: fechado
– Terças, Quartas e Sextas: 10-18hs
– Quintas: 10-19hs
– Sábados e Domingos: 11-17hs
www.nasjonalmuseet.no

35 comentários Adicione o seu
  1. Nossa, sou apaixonada pela obra O Grito, queria muito ver!!!!Parabéns pelo post, não conhecia a história da obra e fiquei feliz em saber que ainda há chances de ver ela. Abraços Léli

  2. Oi Nathalia, entendo bem essa emoção de ver de perto uma obra que a gente estudou e admira. Passo por isso todo o tempo. Agora quer ver emoção maior, é encontrar uma tela que você não espera, nem sabe que está naquele museu, e depara com ela sem estar preparada. rs Ótimas informações sobre O Grito.

  3. Nathalia!!!! Eu amo “O Grito”. Deve ter sido uma emoção enorme ver “ao vivo”. Afinal, como você falou, a gente estuda na escola!!! Cara, eu adorei saber mais sobre a história do quadro. Com certeza, se um dia eu for a Oslo, irei visitar esse museu. Parabéns pelo post!!!!
    Abraços,
    Carolina

  4. Sério que esse quadro do Grito está nesse museu?! Não sei porque tinha por mim que ele estava em algum museu da França ou da Holanda. Dica devidamente anotada! O bom dessa blogagem que estou descobrindo vários museus pra conhecer um dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *