Galeria Nacional da Noruega e O Grito de Munch

Noruega, para nós viajantes, é sinônimo de várias coisas: frio, esqui, olimpíadas de inverno, qualidade de vida, aurora boreal, transporte público eficiente, segurança, dentre tantas outras coisas que o país tem a oferecer. Porém, para mim, Noruega sempre lembra arte, afinal, Oslo não só foi retratada em uma das mais importantes séries de pinturas do mundo, como também é o lar de três dos quatro quadros que compõem uma das obras de arte mais caras da atualidade: O Grito.

A primeira das quatro telas e, provavelmente, a mais visitada delas, está localizada no Museu Nacional de Arte, Arquitetura e Design, em Oslo – conhecido popularmente como Galeria Nacional. É, certamente, o mais importante museu do país e abriga, além da obra prima de Edvard Munch, tantos outros tesouros dos mundo das artes. Lá foi a minha primeira parada assim que coloquei os pés na Escandinávia e, exatamente por isso, escolhi falar sobre o museu durante a edição deste ano da #MuseumWeek: uma semana dedicada às artes, onde os blogueiros da RBBV se juntam para escrever sobre museus dos quatro cantos do mundo.

Fundado em 1837, o Museu Nacional abriga hoje a maior coleção pública da Noruega, resultado de uma fusão que ocorreu em 2003, onde foram reunidos os acervos do Museu Nacional de Arquitetura, do Museu Nacional de Artes Decorativas e Design (encerrado em 2016), do Museum Nacional de Arte Contemporânea, da Galeria Nacional da Noruega, e das Exposições de Itinerância Nacional. Cada “parte” do museu funciona em um prédio específico, então, já que eu teria pouco tempo livre em Oslo, foquei na Galeria Nacional, onde está O Grito e outras obras que eu tinha mais interesse em conhecer.

{Winter Night In The Mountains – Harald Sohlberg}

Com um acervo que mistura arte clássica e moderna, a Galeria tem como foco pinturas e esculturas do século XIX, além de um extenso números de peças assinadas por artistas noruegueses. Inclusive, meu favorito de toda a coleção, foi a maravilhosa tela “Winter Night In The Mountains“, do Harald Sohlberg: um pintor Neo-Romântico nascido em Oslo e famoso por retratar paisagens típicas do seu país.

Mas, mesmo amando esse artista que, até então, era desconhecido por mim, não posso deixar de confessar que a obra prima de Munch foi quem me levou até o museu – e, realmente, é emocionante ver de perto e com os próprios olhos uma tela que você estudou e admirou por tantos anos. Inspirada na vida do próprio artista, O Grito exprime um conflito intenso que ele vivia dentro de si, após ter passado por tantas experiências perturbadoras, como a criação extremamente controladora e o fato dele ter testemunhado a morte da mãe e de uma das irmãs quando ainda era uma criança.

A figura andrógena, retratada na doca do Oslofjord, está claramente vivendo um momento de desespero existencial e seu grito é a porta de saída para tudo aquilo que ela internalizou ao longo dos anos. A perturbação da alma deste ser é tão intensa, que até mesmo seus arredores são afetados – o que é mostrado pelas linhas curvas que compõem toda a pintura, como uma espécie de vibração causada pelo grito daquela figura. A obra foi considerada macabra para a época e, quando exposta pela primeira vez, em 1903, um dos críticos chegou a aconselhar mulheres grávidas a evitarem se “expor” a tela.

{O Grito – Edvard Munch}

No entanto, a reação do público foi completamente contrária ao esperado, e o quadro logo virou a sensação da época. Seu nome original era “O Desespero“, mas foi renomeado após a mídia apelidá-lo de “O Grito”. As quatro versões existentes ocorreram pois Munch pintou mais três telas para substituir as cópias que vendia. A da Galeria Nacional é a original, de 1893. A segunda era exibida pelo Museu Munch até 2004, quando foi roubada. Em 2006 foi recuperada pela polícia Norueguesa, porém com danos irreparáveis. O mesmo museu é dono da terceira versão da pintura. E, a quarta foi a responsável por dar à tela o título de mais cara do mundo, após ter sido arrematada por um comprador particular durante um leilão da Sotheby’s por 119,9 milhões de dólares.

Mas não somente da sua estrela principal vive a Galeria Nacional, e o acervo do museu conta ainda com diversas obras icônicas que transformam a visita, já tão maravilhosa, em ainda mais especial. Eu fui focada no O Grito e não conhecia muito da história do museu, então foi uma belíssima surpresa encontrar por lá tantas outras obras que eu já tinha uma familiaridade, como Etretat No Chuva, do Monet; Natureza Morta, do Cézanne; e, óbvio, algumas outras telas do Munch – especialmente As Quatro Garotas em Uma Ponte, que é lindíssima!

{Modigliani e Picasso}

Galeria Nacional
Universitetsgata 13
Oslo – Noruega
Funcionamento:
– Segundas: fechado
– Terças, Quartas e Sextas: 10-18hs
– Quintas: 10-19hs
– Sábados e Domingos: 11-17hs
www.nasjonalmuseet.no

 #MuseumWeek
conheça outros blogs e leia sobre diversos museus
participantes da nossa blogagem coletiva
:

Trilhas e Cantos: Museu Casa dos Contos (Ouro Preto, Brasil)
Tá indo pra onde?: Museus e Experiências Além do Básico em Barcelona (Barcelona, Espanha)
Mariana Viaja: National Gallery of Art (Washington, EUA)
Turistando.in: Visitando o Museu de História da Arte de Viena (Viena, Áustria)
Vamos Por Aí: Meus Museus Favoritos
Viajar Correndo: Museu Light da Energia (Rio de Janeiro, Brasil)
Guia do Nômade Digital: Galeria 11/07/95: Galeria Sobre o Genocídio (Sarajevo, Bósnia e Herzegovina)
Uma Viagem Diferente: 4 Museus Imperdíveis em Florença (Florença, Itália)
Quase Nômade: Museu Iberê Camargo (Porto Alegre, Brasil)
Gastando Sola Mundo Afora: Museu de Arte Precolombino de Cuzco (Cuzco, Peru)
Passeios na Toscana: Florença do Alto: As Torres Abertas a Visitação (Florença, Itália)
Cantinho da Ná: Museu do Futebol em São Paulo: Paixão, História e Entretenimento (São Paulo, Brasil)
Destino Compartilhado: Museu Lasar Segall (São Paulo, Brasil)
Entre Polos: Museu Nacional do Hermitage (São Petesburgo, Rússia)
Do RS Para o Mundo: Centro Português de Fotografia (Porto, Portugal)
Mulher Casada Viaja: Exploratorium (São Francisco, EUA)
TurMundial: Museu do Picasso em Málaga, Barcelona e Antibes (Espanha)
Farrabadares: Memorial São Nikolai (Hamburgo, Alemanha)
Itinerário de Viagem: MET Museum (Nova York, EUA)
Viajar Hei: Museu Imperial (Petrópolis, Brasil)
Sol de Barcelona: Museu Olímpico e do Esporte (Barcelona, Espanha)
Família Viagem: Children’s Museum os Houston (Houston, EUA)
Viaje na Web: American Museum of Natural History (Nova York, EUA)
Aquele Lugar: Museus do Vaticano (Roma, Itália)
Viagem LadoB: Ilha dos Museus (Berlim, Alemanha)
Viajento: Museu Santuários Andinos (Arequipa, Peru)
Mel a Mil Pelo Mundo: Museu de Ciências Naturais (Madrid, Espanha)
Caixa de Viagens: Museu Charlie Chaplin: o Chaplin’s World (Vevey, Suíça)
Let’s Fly Away: Museu Botero (Bogotá, Colômbia)
Viajo com Filhos: Nemo Science Museum (Amsterdam, Holanda)
Sonhando em Viajar: Catetinho (Brasília, Brasil)
Viajoteca: Batik na Indonésia: Museu Têxtil (Jakarta, Indonésia)
Mochileza: Museu do Automóvel (Turim, Itália)
Comendo Chucrute e Salsicha: Museu de Arte Latino Americana (Buenos Aires, Argentina)
1001 Dicas de Viagem: Museu Histórico de Berna (Berna, Suíça)
Estrangeira: 8 Museus Imperdíveis em Barcelona (Barcelona, Espanha)
Devaneios da Biela: Museu Nacional da Finlândia (Helsinque, Finlândia)
ILoveTrip: Top 7 Museus em Brasília Que Você Precisa Conhecer (Brasília, Brasil)
Me Deixa Ser Turista: Conheça o Museu da Revolução em Havana (Havana, Cuba)
A Fragata Surprise: Museus de Florença – Guia de Sobrevivência (Florença, Itália)
Direto de Paris: Os Museus de Troyes (Troyes, França)
A Vida é Como Um Livro: Galeria Nacional da Noruega e O Grito de Munch (Oslo, Noruega)
Dedo no Mapa: Museu Paranaense (Curitiba, Brasil)
Ligado em Viagem: Beco do Batman é Museu de Grafite e Arte de Rua em São Paulo (São Paulo, Brasil)

Leia Também

30 Comentários

  1. Nossa, sou apaixonada pela obra O Grito, queria muito ver!!!!Parabéns pelo post, não conhecia a história da obra e fiquei feliz em saber que ainda há chances de ver ela. Abraços Léli

  2. Oi Nathalia, entendo bem essa emoção de ver de perto uma obra que a gente estudou e admira. Passo por isso todo o tempo. Agora quer ver emoção maior, é encontrar uma tela que você não espera, nem sabe que está naquele museu, e depara com ela sem estar preparada. rs Ótimas informações sobre O Grito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *